Características clínicas da Alfamanosidose1

O início e o tipo de sintomas dependerão da gravidade da doença. As principais características da Alfamanosidose estão detalhadas abaixo.

Principais características da Alfamanosidose2

Características faciais

Vários traços faciais são característicos da Alfamanosidose. Os traços faciais podem ser sutis, na medida em que podem até ser ignorados por um observador inexperiente5B. No entanto, independentemente da raça e da genética de base, todos os pacientes terão algum grau de características grosseiras típicas da síndrome de Hurler. Classicamente, a cabeça é grande, com testa proeminente, sobrancelhas arredondadas, ponte nasal achatada, macroglossia, dentes amplamente espaçados e prognatismo. O pescoço dos pacientes é geralmente curto6C. Dependendo da gravidade, alguns pacientes desenvolverão hidrocefalia no primeiro ano de vida7C.

Descrição

Classicamente, apresenta uma cabeça grande com testa proeminente, sobrancelhas arredondadas, ponte nasal achatada, macroglossia, dentes amplamente espaçados e prognatismo2B

O pescoço é geralmente curto


Notas

As características faciais podem ser sutis e difíceis de distinguir2B

Anormalidades esqueléticas

A doença óssea varia de osteopenia assintomática a lesões líticas ou escleróticas focais e osteonecrose8B. Sinais clínicos ou radiográficos de disostose múltipla, leve a moderada, estão presentes em 90% dos pacientes. Radiografias convencionais podem revelar calvária espessada; configuração ovóide, achatamento e deformidade em forma de gancho dos corpos vertebrais; hipoplasia das porções inferiores da ilia; e leve expansão dos ossos tubulares curtos das mãos. As anormalidades mais frequentes são escoliose e deformação do esterno, presentes ao nascimento9B. O genu valgus (joelho valgo) também é comum e contribui para a alteração da marcha. Semelhante à mesma complicação na doença de Gaucher, o genu valgus pode ser tratado com artrodese epifisária em idade jovem, antes do fechamento da linfa epifisária do joelho10B.

Com o tempo, em sobreviventes a longo prazo da doença, da segunda até a quarta década de vida, os pacientes podem desenvolver poliartropatia destrutiva, principalmente coxartrose e gonartrose8B. Muitas das anormalidades esqueléticas são tão graves que são necessárias correções ortopédicas.

Descrição

As anormalidades mais frequentes são escoliose e deformação do esterno2C


Notas

Sinais clínicos ou radiográficos de disostose múltipla, leve a moderada, estão presentes em 90% dos pacientes2C

Da segunda à quarta década de vida, os pacientes podem desenvolver poliartropatia destrutiva, principalmente coxartrose, mas também gonartrose3C

Deficiência auditiva

A maioria dos indivíduos terá início dos sintomas na infância11B. De fato, a perda auditiva neurossensorial moderada ou grave parece inevitável. Em muitos, senão na maioria dos indivíduos, a perda auditiva é parcialmente condutiva e parcialmente neurossensorial12B. O déficit auditivo é agravado regularmente por otite ou acúmulo de líquido no ouvido médio, adicionando um componente mecânico à deficiência auditiva. Se não tratada na primeira infância, a redução da audição contribuirá para distúrbios na fala e na função mental13B.

Descrição

Perda auditiva neurossensorial inevitável, moderada ou grave2D


Notas

Agravado regularmente por otite ou acúmulo de fluido no ouvido médio, adicionando um componente mecânico ao déficit auditivo2D

Alterações oculares

Hipermetropia, miopia ou estrabismo leve são considerados comuns14B. Alterações lenticulares, opacidades superficiais da córnea e discos ópticos borrados parecem ser raros, mas foram relatados14B. A maioria desses achados oftalmológicos pode ser corrigida.

Descrição

Estrabismo leve é comum2E


Notas

Hipermetropia com mais frequência que miopia2E

Transtornos Mentais

Deficiência Intelectual

O desenvolvimento psicomotor precoce pode parecer normal, mas a deficiência intelectual está presente em todos os indivíduos15B. Pessoas com doença de início adulto geralmente são leve ou moderadamente deficientes intelectuais, com um QI de 60 a 80. Em muitos pacientes, o primeiro sintoma é o atraso no desenvolvimento da fala ou das funções motoras ou mentais, com tendência decrescente nas décadas posteriores16B. A medida do desempenho mental total é complexa e tem sido relatado que os pacientes tendem a pontuar melhor em testes não verbais16B. Os indivíduos apresentam atraso ao começar a falar (às vezes até a segunda década da vida)16X, seus vocabulários são restritos e sua pronúncia é difícil de entender, o que pode ser uma consequência da perda auditiva congênita e/ou de início tardio.

Descrição

Quase todos os pacientes apresentam algum grau de retardo mental4F

Atraso no desenvolvimento da linguagem 2F


Notas

O primeiro sintoma pode ser o atraso no desenvolvimento da fala ou das funções motoras ou mentais4F

Todos os pacientes geralmente apresentam retardo mental leve a moderado, com tendência a declínio nas últimas décadas2F

Variação considerável na progressão clínica3F


Sintomas psiquiátricos

Sintomas psiquiátricos distintos da deficiência intelectual podem afetar 25% ou mais dos indivíduos com Alfamanosidose17B. O início é tipicamente do final da puberdade ao início da adolescência. Em pacientes com retardo mental, os sintomas psiquiátricos fazem parte de um quadro clínico mais difuso, com sinais neurológicos sistêmicos, cognitivos ou motores. Pode se apresentar com ataques agudos e recorrentes de confusão, às vezes com ansiedade, depressões ou alucinações18B. Os períodos de psicose geralmente duram de 3 a 12 semanas e são seguidos por um longo período de hipersonia e podem ser acompanhados por perda de habilidades, como dificuldade em falar ou incapacidade de ler19B. As causas orgânicas dos sintomas psiquiátricos não são claras19B.

Descrição

Sintomas psiquiátricos presentes em > 25% dos pacientes, geralmente apresentando-se na adolescência ou início da idade adulta2H


Notas

Parte de um quadro clínico mais difuso com sinais neurológicos sistêmicos, cognitivos ou motores2H

Pode apresentar-se com ataques agudos e recorrentes de confusão, às vezes com ansiedade, depressões ou alucinações2H

Os períodos de psicose geralmente duram de 3 a 12 semanas, seguidos por um longo período de hipersonia e, às vezes, perda de habilidades2H


Disturbio da função motora

Ataxia é o distúrbio motor mais característico e específico20B. O desenvolvimento das funções motoras nos pacientes afetados é geralmente lento e as crianças parecem desajeitadas21B. Isso é causado por uma combinação de fatores, incluindo fraqueza muscular, anormalidades articulares e ataxia devido a atrofia cerebral e desmielinização cerebral. Assim, as crianças afetadas aprendem a andar um pouco mais tarde do que o normal22B.

Além de anormalidades articulares e miopatia metabólica, a doença afeta áreas do cérebro responsáveis pela função motora fina e coordenação muscular23B. A hipotonia muscular é comum. A paraplegia espástica também foi descrita, mas, em geral, espasticidade, rigidez e discinesia não são observadas. O comprometimento da função motora é progressivo por natureza, com piora gradual na segunda e terceira década de vida24B. No entanto, pode haver uma variação considerável na progressão clínica.

Descrição

O desenvolvimento da função motora é geralmente lento 2G


Notas

Ações desajeitadas causadas por fraqueza muscular, anormalidades articulares e ataxia devido à atrofia cerebral e desmielinização cerebral2G

O comprometimento é progressivo, com piora gradual na segunda e terceira décadas2G

Variação considerável na progressão clínica2G

Imunodeficiência e autoimunidade

Pacientes com Alfamanosidose sofrem de infecção recorrente, principalmente durante a primeira década de vida25B. A análise do funcionamento imunológico humoral e celular demonstrou que os níveis de anticorpo pós-imunização são mais baixos em pacientes com Alfamanosidose, mostrando uma capacidade diminuída de produzir anticorpos específicos após a apresentação do antígeno. Embora as infecções gerem mecanismos compensatórios nos leucócitos para melhorar a fagocitose, esses mecanismos são inadequados por causa de agentes bloqueadores de fagócitos, induzidos pela doença, presentes no soro ou por falta de anticorpos específicos26B. Além disso, os leucócitos têm uma capacidade reduzida de destruição intracelular, o que pode contribuir para os resultados frequentemente graves de infecções bacterianas26B.

Na Alfamanosidose, são encontrados níveis aumentados de oligossacarídeos no plasma27B. Os oligossacarídeos com cinco e seis resíduos de manose se ligam aos receptores de interleucina-2 (IL-2) e alteram as respostas dependentes de IL-2. Como a IL-2 ativa as células T, B e NK, pode-se supor que o bloqueio desse receptor seja responsável pela deficiência imunológica presente na Alfamanosidose.

Descrição

Os pacientes sofrem de infecção recorrente, principalmente na primeira década de vida2I


Notas

O bloqueio do receptor de IL-2 pode estar envolvido2I

Complicações renais e cardíacas

Complicações cardíacas e renais raramente são encontradas28B. A insuficiência renal em estágio terminal foi relatada em apenas um caso, que foi gerenciado pelo transplante renal29. Em algumas descrições de casos, um sopro do coração foi observado, mas a doença cardíaca manifesta não foi documentada28B.

  1. Beck M Olsen KJ, Wraith JE et al. Natural history of alpha-mannosidosis: a longitudinal study. Orphanet J Rare Dis 2013;8:88
  2. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  3. Malm D, et al. The natural course and complications of alpha-mannosidosis—a retrospective and descriptive study. J Inherit Metab Dis. 2014 Jan;37(1):79-82.
  4. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/
  5. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/
  6. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  7. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  8. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  9. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/
  10. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  11. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/.
  12. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  13. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/.
  14. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/
  15. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/.
  16. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  17. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/.
  18. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  19. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  20. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/.
  21. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  22. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/.
  23. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/.
  24. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  25. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  26. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/.
  27. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21
  28. Malm D, Nilssen O. Alpha-Mannosidosis. NCBI. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1396/
  29. Malm D, Nilssen O. Alpha-mannosidosis. Orphanet J Rare Dis 2008;3:21

As informações contidas neste site destinam-se apenas a fornecer conhecimento dos conceitos de saúde da doença Alfamanosidose. Estas informações não devem ser usadas no lugar de aconselhamento do seu médico ou outro profissional de saúde. Em caso de dúvida, entre em contato com seu médico para obter orientação. Este site foi produzido pela Chiesi Pharmaceuticals. O site foi desenvolvido de acordo com os padrões legais e do setor para fornecer informações aos profissionais de saúde e ao público em geral sobre os tópicos de saúde da doença Alfamanosidose. A Chiesi Pharmaceuticals faz todos os esforços possíveis para incluir informações precisas e atuais. No entanto, as informações fornecidas neste site estão em constante atualização.